Gostaria de refletir com vocês sobre um dos significados da Ceia do Senhor (Santa Ceia ou Eucaristia que eu acho mais interessante, pois esta expressão significa “Dar Graças” ou “Ação de Graças” que reflete a ação de Jesus diante da mesa e esta expressão era a forma como ela era conhecida pelos cristãos a partir do século II), que é um dos principais sacramentos (se é que podemos chamá-la desta forma), que a Igreja Cristã realiza, algumas comunidades com mais freqüência, outras com menos.

Mas o ponto em que eu quero ir é o significado da Ceia, que é o memorial da vida, morte e ressurreição do Senhor, ponto principal da fé comum, o que nos une como irmãos.

Sempre quando é celebrada, o pastor, o ancião, presbítero, ou qualquer outro líder, de costume faz a leitura do texto de 1 Coríntios 11 onde o apóstolo Paulo dá direções de como celebrar, o que não pode ocorrer na mesa da ceia e também reflete com a Igreja sobre o significado da ceia: “Porque, sempre que comerem deste pão e beberem deste cálice, vocês anunciam a morte do Senhor até que ele venha.”, porém, com base no texto de Lucas 24:13-35 quero ainda mostrar um outro significado onde Lucas ao escrever o evangelho expõe com mais profundidade. O texto bíblico é extenso, mas peço que você leia até o final.

13 Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém. 14 No caminho, conversavam a respeito de tudo o que havia acontecido. 15 Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e começou a caminhar com eles; 16 mas os olhos deles foram impedidos de reconhecê-lo.

17 Ele lhes perguntou: “Sobre o que vocês estão discutindo enquanto caminham? ” Eles pararam, com os rostos entristecidos.

18 Um deles, chamado Cleopas, perguntou-lhe: “Você é o único visitante em Jerusalém que não sabe das coisas que ali aconteceram nestes dias? “

19 “Que coisas?”, perguntou ele. “O que aconteceu com Jesus de Nazaré”, responderam eles. “Ele era um profeta, poderoso em palavras e em obras diante de Deus e de todo o povo. 20 Os chefes dos sacerdotes e as nossas autoridades o entregaram para ser condenado à morte, e o crucificaram; 21 e nós esperávamos que era ele que ia trazer a redenção a Israel. E hoje é o terceiro dia desde que tudo isso aconteceu. 22 Algumas das mulheres entre nós nos deram um susto hoje. Foram de manhã bem cedo ao sepulcro 23 e não acharam o corpo dele. Voltaram e nos contaram que tinham tido uma visão de anjos, que disseram que ele está vivo. 24 Alguns dos nossos companheiros foram ao sepulcro e encontraram tudo exatamente como as mulheres tinham dito, mas não o viram”.

25 Ele lhes disse: “Como vocês custam a entender e como demoram a crer em tudo o que os profetas falaram! 26 Não devia o Cristo sofrer estas coisas, para entrar na sua glória? “

27 E começando por Moisés e todos os profetas, explicou-lhes o que constava a respeito dele em todas as Escrituras. 28 Ao se aproximarem do povoado para o qual estavam indo, Jesus fez como quem ia mais adiante.

29 Mas eles insistiram muito com ele: “Fique conosco, pois a noite já vem; o dia já está quase findando”. Então, ele entrou para ficar com eles. 30 Quando estava à mesa com eles, tomou o pão, deu graças, partiu-o e o deu a eles. 31 Então os olhos deles foram abertos e o reconheceram, e ele desapareceu da vista deles.

32 Perguntaram-se um ao outro: “Não estavam ardendo os nossos corações dentro de nós, enquanto ele nos falava no caminho e nos expunha as Escrituras? “

33 Levantaram-se e voltaram imediatamente para Jerusalém. Ali encontraram os Onze e os que estavam com eles reunidos, 34 que diziam: “É verdade! O Senhor ressuscitou e apareceu a Simão! ” 35 Então os dois contaram o que tinha acontecido no caminho, e como Jesus fora reconhecido por eles quando partia o pão.” Lucas 24:13-35

Neste texto podemos ver outro significado que a ceia pode nos trazer, a do Jesus que é presente! Que está agora, dentro de nós! Onde nós somos a sua casa! Vamos refletir sobre isso: “… 30 Quando estava à mesa com eles, tomou o pão, deu graças, partiu-o e o deu a eles. 31 Então os olhos deles foram abertos e o reconheceram, e ele desapareceu da vista deles…”. Quando Jesus os encontrou no caminho para Emaús os olhos deles estavam fechados, mas no momento em que Jesus parte o pão e dá para os discípulos comerem, os olhos deles são abertos e o Senhor desaparece da vista deles. Mas porque o Senhor desaparece? Por que o Senhor não é alguém que quer ser visto de fora, mas alguém que estar dentro, sentido por dentro. Não estou dizendo que os elementos da ceia se transformam (respeito quem crê desta forma), mas da consciência de que ao comer do Pão e beber do Cálice você está lembrando que o Senhor não está fora, morando lá no céu, mas que está dentro e que sempre estará dentro do homem e nunca fora dele! Que Ele é o Pão da Vida que está dentro de nós! E que nós já bebemos de seu sangue e já comemos de sua carne no momento de nossa conversão, portanto ele habita em nós: “Pois a minha carne é verdadeira comida e o meu sangue é verdadeira bebida. Todo o que come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele.” João 6:55,56

Na ceia é celebrado não um Cristo que está fora, como que partindo o pão, mas o que está dentro de nós! E ao mesmo tempo a comunidade se reunindo em volta do Ressuscitado e celebrando sua presença gloriosa e maravilhosa! É dessa forma que Ele quer ser celebrado, como alguém presente e não como alguém que precisa ser chamado para participar de nossas celebrações.

Para terminar, cabe muito bem uma música bem antiga chamada “Nas estrelas –Vencedores por Cristo”: “… descobri então que Deus não vive longe lá no céu, sem se importar comigo. Mas agora ao meu lado está, cada dia sinto seu cuidar, ajudando-me a caminhar. Tudo Ele é pra mim!”

“Cristo em vocês, a esperança da glória.” Colossenses 1:27b

Abraços,

Ronaldo Junior

Anúncios

Sobre Rodrigo Gomes

Um apaixonado por Jesus e que quer, cada vez mais, tornar-se semelhante a Ele. Buscando um coração justo e sincero, e o amor ao próximo.

»

  1. Rodrigo Moura disse:

    Gostei do blog, parabéns!

    Lembrei-me de uma entrevista com a Adélia Prado na qual ela disse:

    “A missa é a coisa mais absurdamente poética que existe. É o absolutamente novo sempre. É Cristo se encarnando, tendo a sua Paixão, morrendo e ressuscitando. Nós não temos de botar mais nada em cima disso, é só isso”

    Graça e paz, quando puder passa no meu blog:

    rodrigodemoura.wordpress.com

  2. Paulo Matias disse:

    Belíssimo texto…Parabéns pela reflexão!

    Um grande abraço!

    Paz!

    Paulo Matias

  3. Bruno disse:

    Ae juninho, ce ta de parabéns hein..

    ai sim mano. O texto tá da hora, continua lendo a biblia, estudando e lembre se: Não se embriagueis de vinho, mas enchei-vos do Espírito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s